top of page

A importância de se consultar um advogado durante a compra de um imóvel


Ultimamente, um número cada vez maior de pessoas tem optado por contratar um advogado para auxiliá-las durante a compra de um imóvel, seja por meio da elaboração do contrato de promessa de compra e venda, checagem de documentos (due diligence) ou um simples acompanhamento até o cartório, para revisar a escritura pública de compra e venda.


Particularmente, eu entendo que esse tipo de consultoria tem se revelado cada vez mais imprescindível, tanto do ponto de vista jurídico, como financeiro.


Embora o sistema cartorário brasileiro seja moderno, a quantidade de regras previstas na legislação brasileira (com destaque para o Código Civil e a Lei de Registros Públicos) acaba fazendo com que a compra de um imóvel se torne uma tarefa complexa do ponto de vista prático, principalmente para quem não está acostumado a realizar esse tipo de transação.


Além da complexidade inerente ao processo de aquisição de um imóvel (elaboração da promessa de compra e venda, escrituração, recolhimento do ITBI e registro), é necessário adotar determinadas medidas com o objetivo de minimizar os riscos que advêm da legislação brasileira, principalmente no âmbito trabalhista e tributário.


Muitas vezes, a efetivação de medidas constritivas em face do vendedor, no decorrer de uma execução trabalhista e/ou fiscal, acaba prejudicando o comprador do imóvel, que terá que se valer de uma ação autônoma (embargos de terceiro) para tentar elidir eventual declaração de ineficácia por fraude à execução.


É justamente em razão dos riscos proporcionados pela legislação pátria, que a participação do advogado tem se tornado cada vez mais imprescindível nos negócios que envolvem a compra e venda de imóveis.


A verificação de documentos (a exemplo das certidões de regularidade fiscal e trabalhista), bem como a consulta de processos envolvendo o vendedor, constituem etapas importantes do procedimento, que devem ser realizadas antes da assinatura da promessa de compra e venda e/ou lavratura da escritura pública.


Na prática, a verificação desses documentos acaba por reduzir os riscos inerentes à operação, em um nível substancial, por ser um trabalho de prevenção, o que minimiza os custos de um possível dano em decorrência de algum fato não observado na operação, vez que uma ação judicial é muito mais cara do que uma assessoria jurídica que pode ser pontual.


Artigo redigido pelo nobre colega Dr. Amim Issa Kallouf Neto do escritório Di Rezende.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page